5 de janeiro de 2006

Adeus 8257

Na passada segunda feira recebi a minha carteira profissional de jornalista revalidada até 2007. Após uma observação cuidada do novo cartão dourado e vermelho reparei que o número lá inscrito era o 5532... Ora Bolas, pensei, eu sou o 8257 ! que maçada, vou ter que devolver, pensei.... Escrevi um email para a CCCP e eis a resposta:
Exm.ª Sr.ª,

Não há qualquer engano, houve uma renumeração dos títulos profissionais e esse passou a ser o seu n.º. Relativamente à página da internet, ainda não foi actualizada para o biénio que está em curso, ainda contam os cartões que estavam válidos em 04/05.
Com os melhores cumprimentos,

Não sei se isto aconteceu a alguns dos meus colegas mas senti-me como se me tivesse mudado o número de bilhete de identidade... Afinal, tinham-me dito que o número seria sempre o mesmo e até nos meus cartões profissionais já tinha impresso o 8257...
Olá 5532, adeus 8257!
p.s - obviamente que estou a dramatizar mas a sensação de que algo me foi usurpado e trocado, sem que fosse consultada, é real.

3 comentários:

Carlos Manuel Pereira disse...

Engraçado, tive exactamente a mesma sensação... é um sentimento estranho. Durante oito anos fui o portador da Carteira profissional 5544 e agora sou o 3660.

Não percebo esta redistribuição de números. Morrem todos os dias cidadãos portugueses e não é por isso que fazer uma renumeração dos BI's. Enfim... se calhar há alguém a querer mostrar serviço.

Bom trabalho,

Anónimo disse...

A justificação pode ter encoberta realidades bem mais negras: a morte, o desemprego e também a desistência de muitos dos que já não acreditam ser possível continuar a ser jornalista.

Carlos Manuel Pereira disse...

Em parte concordo... mas estive desempregado e renovei na mesma a minha carteira profissional, basta ir ao centro de emprego inscrever-se que eles passam a declaração necessária e a renovação é gratuita. Morrer morrem todos os dias pessoas e não se renumeram os BI's... mas sinceramente não será por esta redistribuição dos números que serei ou seremos melhores ou piores jornalistas.

Quanto às desististências do jornalismo. Aí é que está o grande problema. A crise financeira do sector é grave e há a necessidade de alguns camaradas (ou colegas como preferirem) mudarem de trabalho porque ninguém vive do ar. Isso sim é triste e lamentável. Esta é uma situação que levanta todas as questões e mais algumas, menos esta da renumeração das CPJ. Porque a realidade mostra que há trabalho para muito mais jornalista, as empresas é que por motivos de subsistência financeira não estão dispostas a contratarem mais profissionais.

Bom trabalho, leiam sempre o Diário Económico.